Carregando...

Fornecedores


Da Vinci


Em 1961, na cidade italiana de Vinci, 30 agricultores locais se agruparam para formar a Cantine Leonardo da Vinci, uma cooperativa pioneira e inovadora de vitivinicultores. Acreditava-se que, com a quebra do tradicional sistema italiano de compartilhamento de culturas, eles seriam mais fortes se unindo criando uma cooperativa. O Nome Leonardo Da Vinci vem do próprio artista, filosofo e cientista que nasceu na mesma cidade no século XV.

Apesar de Cantine Leonardo da Vinci orgulhosamente manter o mesmo status de cooperativa, ela cresceu desde seu começo humilde, tendo uma adesão próspera de mais de 200 viticultores apaixonados localizados nas regiões de Vinci e Montalcino.

Hoje a Cooperativa faz parte do grupo Castel, número 1 mundial de vinho francês, número 2 de cerveja e refrigerante na África e número 3 mundial em vinho. Com essa força comercial, Da Vinci conseguiu divulgar os vinhos da Toscana em muitos países do mundo.

Ver no mapa











Nuiton / Blason


Podemos considerar a Borgonha como a escola de terroir a céu aberto. Cada denominação vai expressar o terroir nos seus vinhos da maneira mais pura. Blason de Bourgogne e Nuiton-Beaunoy fazem parte do mesmo grupo onde a sede fica no coração da Borgonha perto de Beaune. Os vinhos de Blason são vinhos regionais, enquanto a Nuiton-Beaunoy são vinhos de denominações mais prestigiosas.

Blason de Bourgogne
Reúne 800 famílias de produtores de vinho em toda a Borgonha, desde Chablis, no Norte, até Mâcon, no Sul, passando por Beaune; cada um à sua maneira revela uma faceta da identidade da Borgonha.

Nesses diferentes terroirs são principalmente plantadas a Chardonnay e a Pinot Noir, duas castas emblemáticas da Borgonha, mas também Aligoté, Sauvignon Blanc e Gamay.

O logotipo em forma de diamante contém símbolos da Borgonha: os diamantes representando o telhado do famoso Hospices de Beaune, os vinhedos nas encostas, paisagem típica da Borgonha e a flor de lírio,também encontrada na bandeira regional.

Nuiton-Beaunoy
Cooperativa de 85 vinicultores sócios, que cultivam 456 ha de vinhedos distribuídos em cerca de cinquenta aldeias (Villages) entre as denominações de Hautes-Côtes de Nuits e de Beaune.

A produção anual é de cerca de 4 milhões de garrafas, 50% das quais são Hautes-Côtes, Bourgogne Pinot Noir e Bourgogne Chardonnay; 20% em Bourgogne Aligoté; 20% em Crémant de Bourgogne; 10% de Villages, 1er Cru e Grands Crus.

Temos aqui um produtor focado nos vinhos premium da
Borgonha querendo apresentar ao consumidor as
melhores denominações da região.

Ver no mapa











Poças


Há 100 anos a vinícola Poças Júnior se dedica a arte do vinho. É uma das raras empresas de vinho do Porto que nasceu portuguesa e se mantém na posse da mesma família desde a sua fundação.

Com os olhos postos no futuro, mas sem esquecer o passado, a Poças acredita que fazer vinho é criar algo
verdadeiramente único, tal como uma obra de arte. Talvez por isso tenha assumido, desde cedo, uma ligação especial com diferentes movimentos artísticos, apoiando e homenageando o talento português nas suas mais variadas formas de expressão.
A sua principal inspiração é o inigualável terroir do Douro, onde têm três quintas, uma em cada sub-região: a Quinta das Quartas (Baixo Corgo), a Quinta de Santa Bárbara (Cima Corgo) e a Quinta de Vale de Cavalos (Douro Superior).

A Poças foi pioneira em perceber o potencial da região para a produção de bons vinhos de mesa, quando Jorge Pintão se juntou a equipe de enologia. A sua experiência enológica em Bordeaux (no Médoc), foi a chave que levou ao lançamento, em 1990, do primeiro vinho: Coroa d’Ouro Tinto. O sucesso foi estrondoso e levou a ampliação da gama de vinhos de qualidade do Douro. Atualmente a qualidade de seus vinhos está ainda mais aprimorada, através dos preciosos conselhos do consultor Hubert Boüard, coproprietário do famoso Château Angelus de Bordeaux.

Ver no mapa











Lanson


A Maison Lanson foi fundada em 1760 por François Delamotte, uma das primeiras da história e até hoje uma das mais antigas. Desde 1760, Maison Lanson permaneceu familiar. Fiéis à sua herança, os Champagnes Lanson são elaborados no método tradicional, preservando a pureza natural da fruta. A partir deste compromisso histórico, nascem vinhos extremamente frescos e elegantes com um grande potencial de envelhecimento. Um estilo verdadeiramente único.

Os vinhos são feitos principalmente de Pinot Noir e em média 40% de Chardonnay, provenientes de 500 hectares de vinhedos situados nos melhores terroirs da Champagne. Os vinhos usados para o Champagnes Lanson, no mínimo 50% são qualificados como Grand Cru e Premier Cru, o que garante a sua qualidade premium. Para garantir toda a qualidade, além desse diferencial da qualificação dos vinhos base, a idade média dos vinhos usados é de 10 anos.

Para modernizar sua adega, a Maison Lanson tem instalações para vinificar o vinho de forma parcelar, preservando assim todas as diversidades de terroir, portanto, o enólogo tem acesso a uma paleta muito rica de possibilidades de assemblage.

Umas das características marcante dos Champagne de Lanson é que os vinhos não passam por fermentação maloláctica, o que traz muito frescor aos vinhos. Para garantir toda a qualidade para o consumidor no momento da degustação, a Maison Lanson guarda as garrafas na adega mais 6 meses depois do dégorgement, cuja a data está sempre presente nos rótulos dos Champagnes.

Historicamente a casa nunca parou de crescer e de atrair amantes da bebida, especialmente cabeças coroadas: a Maison Lanson foi a primeira fornecedora ocial da Corte da Inglesa e desde 1900 nunca perdeu o título de: “Fornecedora de Champagne para Sua Majestade”, que foi entregue a Henri Marie Lanson pela rainha Victoria. Mais tarde, Lanson também se tornou o único Champagne do Principado de Mônaco.

Hoje a Maison Lanson faz parte do segundo maior grupo de Champagne do mundo (depois de LVMH) e está no Top 10 das Maison de Champagne. Como símbolo de Excelência, patrocina grandes eventos esportivos como o torneio de tênis de Wimbledon, o Brasil Open, corridas de carro de Monte Carlo e também torneio de Polo da Alemanha.

Ver no mapa











Casa Relvas


A Casa Relvas é uma empresa familiar no agronegócio há cinco gerações.

Foi adquirida por Alexandre Relvas em 1997, está situada no concelho de Redondo e possui cerca de 350 ha de vinha plantada em solos franco-argilosos e derivados de xisto. Possui ainda 97 ha de sobreiros, plantados entre 1998 e 1999.

Com uma produção de 6 milhões de garrafas ao ano, o primeiro mercado da Casa Relvas é o Brasil.

A consistência de qualidade, os preços justos e as certificações de Food Defense tornam a Casa Relvas um parceiro preferencial não só para o pequeno retalhista como também para as grandes redes.

Além dos vinhos, a Casa Relvas tem projetos ambientais, com o desejo de ser cada vez mais sustentável. Atualmente tem cerca de 400 ovelhas Merino, raça autóctone da Península Ibérica, que vivem em perfeita harmonia com a vinha e a floresta, desempenhando um papel fundamental no projeto de redução de herbicidas. Da vindima ao abrolhamento as ovelhas passam os dias na vinha, fazendo uma escolha seletiva das ervas e produzindo estrume. Este processo permite não usar herbicidas nem meios mecânicos para controle de infestantes durante o inverno.

Nos últimos anos, a Casa Relvas tem colocado em prática um plano de reflorestamento das suas herdades. Desde 2006 foram plantadas cerca de 120 mil árvores. Hoje possui cerca de 730 ha de florestas em 3 diferentes Herdades, sendo desses, 450 ha de Sobreiros plantados. O restante do espaço está dedicado à criação e preservação de espécies autóctones portuguesas em vias de extinção, tais como o ‘Burro de Mirandela’ e o ‘Garrano do Gerês’

Ver no mapa











Ramirana


Ramirana nasceu na zona rural chilena e está ligada às tradições do cavalo crioulo chileno. Nos vales cada vinhedo é cuidadosamente escolhido para obter misturas inovadoras com aromas únicos e sabores excepcionais.

Ramirana é a expressão dos solos chilenos com aromas animais e de terra muito presentes. Com Ramirana temos a impressão de entrar nos solos chilenos e aproveitar cada sensação que ele pode nos provocar, o verdadeiro espírito do campo.

Os vinhos são equilibrados, elegantes e frescos, onde a fruta toma a alma dos cavalos crioulos e pode ser sentida em todas as garrafas.

A Linha Ramirana é feita especialmente para restaurantes. Os vinhos são extremamente gastronômicos e muito fáceis de harmonizar.

Ver no mapa











Ramón Bilbao


Fundada em 1924, pelo próprio Ramón Bilbao, na cidade de Haro, capital da Rioja na Espanha. Hoje a bodega pertence a Zamora Company, que trabalha com grandes marcas, como: Ramón Bilbao, Lolea, Licor 43, Villa Massa.

A vinícola Ramón Bilbao está presente nas três regiões mais emblemáticas da Espanha:
• Rioja, onde a bodega foi fundada e onde são feitos os vinhos mais renomados das uvas Tempranillo e Garnacha.
• Rueda, principais vinhedos para vinhos feitos a partir de Verdejo e Sauvignon Blanc.
• Rias Baixas, onde a influência marítima do Oceano Atlântico deixa os vinhos das uvas Albariño ainda mais elegantes.

Todos os esforços feitos na procura de excelência dos vinhos e inovações nas técnicas de vinificação levaram Ramón Bilbao a ser o Crianza mais vendido da Espanha no setor On trade. Hoje Ramón Bilbao ocupa 8% do mercado nacional espanhol.

Ver no mapa











Trinchero


A historia dos produtores

Fundada em 1948 pelos irmãos e imigrantes italianos Mario e John Trinchero, a propriedade familiar fica no coração do Napa Valley. A Trinchero Family Estates é um dos líderes na indústria do vinho americano, com mais de 45 marcas consagradas de vinhos e bebidas alcoólicas, além de uma presença global em quase 50 países.
Hoje é a segunda maior vinícola familiar dos Estados Unidos e quarta maior vinícola dos Estados Unidos. Cuidadosa com a qualidade dos seus vinhos, atualmente tem mais de 4.400 hectares de vinhedos, todos cultivados de maneira sustentável na Califórnia, o que tornou possível o recebimento de mais de 130 pontuações acima de 90 em 2016 na imprensa nacional e internacional. Hoje a vinícola detém várias marcas, como a Folie à Deux , Sutter Home, Joel Gott e Napa Cellars.

Folie à Deux – Ménage à Trois
A vinícola Folie à Deux foi fundada no Vale de Napa por dois profissionais de psiquiatria em 1981. A marca icônica, Ménage à Trois, foi criada em 1996 e o seu logotipo com dois bailarinos gêmeos foi inspirado nos infames borrões de tinta de Rorschach. Os vinhos Ménage à Trois são feitos com um estilo mais moderno e macio.

Sutter Home
A história da Sutter Home Winery inicia no ano 1874, quando um imigrante suíço-alemão chamado John Thomann estabeleceu uma pequena vinícola e destilaria no coração do Vale de Napa, na Califórnia. A Sutter Home teve um papel muito importante na história do vinho nos Estados Unidos, ela redefiniu a indústria de vinhos depois da proibição americana da venda de bebidas alcoólicas. Como todas as vinícolas americanas, teve que fechar as portas durante a proibição, mas em 1948, os irmãos Trinchero compraram a vinícola e começaram a vender os vinhos em galão. Depois de 50 anos foi reconhecida pela Wine Spectator por “ter introduzido mais americanos ao vinho de mesa do que qualquer outra vinícola na história”.
Além disso, Sutter Home foi pioneira, criando o original White Zinfandel em 1975, um acidente afortunado ocorreu durante a produção da safra e cerca de 1.000 galões de suco de Zinfandel tinta não fermentaram, retendo uma quantidade substancial de açúcar. Os irmãos Trinchero colocaram este vinho de lado por um tempo, o que levou um deles a dizer: “Duas semanas depois, eu provei aquele vinho e era doce, tinha uma cor rosa, e eu pensei – Droga, isso é muito bom. Nós o engarrafamos, e o resto é história.”
Hoje, Sutter Home é a sexta maior marca de vinho no mundo, e única marca premium que nos últimos 30 anos permanece no ranking top 10.

Ver no mapa











Yellow Tail


Yellow Tail é uma propriedade familiar na pequena cidade de Yenda, na Austrália. Hoje é a sexta geração da família Casella
que produz os vinhos.

Em 1957, os fundadores Filippo e Maria Casella migraram da Sicília e chegaram às costas australianas. Começaram a fazer vinho com a filosofia de vinificação da família em seu coração: ter família e amigos juntos em qualquer ocasião.

Foi essa abordagem que inspirou a visão de John Casella em 2001, para criar um vinho acessível que todos pudessem desfrutar. Ao fazer isso, ele queria demonstrar que o vinho pode ser divertido, fácil de beber e fácil de entender.

Combinando uma paixão e compreensão da herança italiana com uma atitude australiana descontraída e moderna, a familia Casella continua a criar vinhos que têm grande apelo e que serão apreciados pelas gerações futuras.

Hoje Yellow Tail é o vinho mais vendido na Austrália e faz parte do TOP 5 mundial. Estamos aqui com uma marca que revolucionou o mundo do vinho. Yellow Tail conseguiu criar vinho com estilo próprio e foi coroada como a marca de vinhos mais poderosa do mundo pelos consumidores, segundo a Wine Intelligence.

Ver no mapa











Henkell


Henkell & Co
Quando falamos de Henkell, falamos do grande grupo Dr. Oetker. Essa empresa alemã começou com produção de fermento em pó para fazer bolo e hoje se tornou um grupo gigante com muitas filiais como: empresa de frete marítimo,banco, editora, empresa de equipamentos de segurança, cervejaria, hotéis de alta classe em toda a Europa e uma empresa de espumantes.

Henkell &Co., o maior grupo produtor de espumante do mundo, está presente em mais de 100 países e vendeu mais de um bilhão de garrafas desde sua criação. Isso representa mais de 153 milhões de garrafas abertas por ano.
Hoje o grupo Henkell & Co., tem além do seu espumante outros vinhos como Schloss, La Pieve, Deinhard e acabou de se tornar acionista majoritária da famosa Freixenet.

Henkell
O espumante Henkell, com seu estilo frutado conseguiu conquistar o paladar de muitos consumidores. A ideia a princípio: o comerciante de vinhos de Mainz, Adam Henkell, descobriu na França a grande arte de fazer Champagne. Em seu país natal, ele conseguiu combinar a arte do cuvée francês e a arte alemã da adega e em 1856, ele produziu espumantes excepcionais de acordo com o modelo francês. Este é o começo de uma história de sucesso única. Hoje Henkell é o símbolo da festa e da elegância.

I Heart Grupo Henkell Freixenet

A história do I Heart Wine começou em 2011 com a ideia de que nem todo mundo é expert em vinho, e que as pessoas querem ter confiança na seleção de um vinho que sabem que vão gostar, somente pelo nome da uva. Guardando as coisas simples e comunicando de uma maneira muito diferente dos outros produtores, este é o diferencial da I Heart Wine.
Simples, divertido e estiloso, são as três palavras que melhor definem a linha I Heart.

Ver no mapa











Casa Santos Lima


A Casa Santos Lima é uma empresa familiar que se dedica à produção, engarrafamento e comercialização de vinhos portugueses. Trabalha diretamente ou indiretamente nas regiões de Lisboa, Algarve, Alentejo, Douro e Vinhos Verdes. Desta forma e a partir de cerca de 400 hectares de vinha, a empresa produz vinhos conhecidos pela sua excelente relação qualidade/preço e exporta cerca de 90% da sua produção total para perto de 50 países nos 5 continentes.

A Casa Santos Lima é também o maior produtor de “Vinho Regional Lisboa” com40% do volume de vinho  vendido na região. Hoje ela se tornou primeira vinícola de Lisboa no Brasil.

Os últimos anos tem sido um dos mais premiados produtores portugueses nas principais competições nacionais e internacionais de vinhos. No Brasil, Quinta de Bons Ventos VT é considerado pelo aplicativo Vivino como o  melhor vinho abaixo de R$50.

Ver no mapa











Ventisquero


“Espirito desafiante”, essas são as palavras do slogan que melhor definem a vinícola Ventisquero.

Liderada por uma equipe jovem, criativa e empreendedora, a Ventisquero iniciou sua produção em 1998, quando o empresário Gonzalo Vial decidiu investir no setor vinícola com o slogan “Um passo além”.  A vinícola se propôs a fazer vinhos de alta qualidade, vanguardistas e modernos. A qualidade dos vinhos é garantida por dois grandes nomes da vitivinicultura mundial, o Felipe Tosso enólogo chefe da Ventisquero e John Duval um dos enólogos mais renomado da Austrália, antigo enólogo chefe da Penfols Grange.

 

Ver no mapa











Vignetti del Salento


Vinhos que expressam um território com um estilo capaz de captar os gostos de uma ampla gama de consumidores, especialmente aqueles que se aproximam do mundo do vinho pela primeira vez. A Uva Primitivo e os vinhos da Puglia em geral estão “a moda” no Brasil. Pois, são vinhos ‘fáceis’ de se entender, com taninos suaves e redondo, além da presença de um bom resíduo de açúcar que torna o produto muito ‘acessível‘ e agrada a maioria.

A linha ‘I MURI’, tem um duplo significado, a palavra muri = muro, é referência à costume dos agricultores da região de Salento de fazerem pequenos muros de pedra para delimitar seus lotes de terra. Também, no rótulo frontal tem desenhado um lagarto/lagartixa, animal de sangue frio, que durante o verão, usa o calor das pedras destes muros que ficam aquecidas pelo sol de Salento.

O Zolla, quanto a ele, vai se destacar por seu formato de garrafa chamado Império, lembrando as origens das primeiras garrafas de vidro de vinho durante o império romano.

A linha ‘vinhas velhas’, é chamada assim porque as vinhas usadas ​​para produzir tanto Primitivo di Manduria quanto o Negroamaro são vinhas centenárias, com um rendimento muito baixo por hectare e com uma concentração muito elevada em açúcares.

Ver no mapa











Calvet


Calvet començou com a vontade de conhecer melhor os terroirs da França. Jean Marie Calvet, nascido em 1799 em uma pequena aldeia no Vale do Rhône, era apaixonado por vinho quando adolescente. Ele trabalhou na vinha para ajudar o pai que possuía um vinhedo e decidiu criar a sua empresa e viajar pela França para adquirir experiença. Muito rápido ele descobre os vinhos de Bordeaux e decidui começar a produzir também nessa região. Aos poucos se expandiu até ter vinhedos em quase todas as regiões vitivinicolas da França. 200 anos depois, Calvet se tornou referencia mundial dos vinhos franceses.

Com a preocupação de divulgar os vinhos franceses pelo mundo, Calvet faz parte do grupo Les Grands Chais de France (maior exportador de vinho frances) e está presente em mais de 110 paises no mundo reconhecida por sua qualidade e sua autenticidade.

Hoje Calvet foi até servido na celebração do premio Nobel e aqui no Brasil é o vinho servido no consulado frances para celebrar a festa nacional francesa dia 14 de julho.

Ver no mapa











Settesoli


A historia começou em 1958, quando 68 viticultores começaram uma cooperativa em Menfi, na ilha da sicilia. Eles selaram um ato de coragem e uma pequena revolução na ilha: plantar as vinhas onde só havia campos de trigo, arvore citricas e algodão. A inovação começou com o trabalho em equipe e começando a construir a vinícola, enquanto aguardava a primeira colheita. Levou 7 anos para chegar à primeira produção: esperar pacientemente sete anos como os “sete sóis” (sette soli) que deram o nome a uma aventura que faria a história de toda uma comunidade, mudando a visão convencional da produção de vinho na Sicília.

Hoje, a Cantine Settesoli conta com mais de 2.000 socios e a mais ampla variedade de uvas (mais de 30 cultivares) em mais de 6.000 hectares (7% de toda a superfície de vinhedos da ilha); 673 hectares são cultivados organicamente. A produção anual é superior a 20 milhões de garrafas.

A qualidade dos vinhos está garantida pelos enologos Mimmo de Gregorio, enologo geral da vinicola e com os consultores Alberto Antonini , Top 10 enologo do mundo e Pedro Parra, especoialista nos terroirs e solos do velho e novo mundo. Com esse equipe de profissional ultra qualificado, Settesoli consegue expressar toda a tipicidade dos terroirs nos seus vinhos.

Ver no mapa











Susana Balbo


A Vinícola foi fundada em 1999 por Susana Balbo, a primeira enóloga feminina da Argentina e a “Rainha da Torrontés” – um apelido ganhado por seu papel de liderança na transformação de Torrontés de corte para um varietal de classe mundial.

Durante mais de 30 anos de carreira, Susana teve a oportunidade de servir como consultor em grandes vinícolas internacionais em várias regiões vinícolas, permitindo-lhe estar sempre na vanguarda das tendências e estilos de vinho do mercado.

A  criação de Susana Balbo Wines marcou um ponto alto na vida de Susana, concretizando um sonho de uma vida: ter sua própria adega e criar vinhos com selo próprio.

Hoje a vinícola familiar conta com a ajuda dos seus dois filhos, José e Ana, Susana Balbo esta competindo com os maiores exportadores da Argentina e ganhando novos prêmios por seus vinhos a cada ano.

Com seu compromisso com qualidade e inovação, Susan foi nomeada pela segunda entre as 10 “Mulheres Mais Influentes do Mundo do Vinho”  pela revista americana Drinks Business e ganha as maiores premiações para seus vinhos até receber a consagração com 99 pontos do James Suckling para o vinho Nosostros.

A História dos rótulos da vinícola é uma homenagem a todos, Crios para seus filhos, Benmarco para os homens, Signature homenagem a sim mesmo, Nosotros está feito para todos e o tradicion foi feito especialmente para o Brasil.

Ver no mapa











Veuve Devienne


Sendo uma referência histórica no universo da produção de espumantes franceses desde sua fundação em 1909, Veuve Devienne é o líder incontestável do Vale do Loire com mais de 80 milhões de garrafas de espumantes Charmat produzidas todo ano e comercializadas em 80 países através o mundo.

A principal explicação de porquê Veuve Devienne é referência vem de um dos fundadores da vinícola, Eugène Charmat que invento o inventou a segunda fermentação em autoclave em 1909 e deu seu nome ao processo chamado Método CHARMAT.

Ver no mapa











Paul Louis


Paul Louis é espumante de método Champenoise do Vale do Loire, elaborado na pura tradição seguindo o Método Tradicional: assemblage, segunda fermentação na própria garrafa, remuage, dégorgeage e licor de expedição. Um conhecimento prestigioso específico transmitido ao longo dos anos.

É uma das últimas Maisons do Vale do Loire produzindo ainda dentro da sua adega de origem, cavada diretamente no calcário.

 

Ver no mapa











Sutter Home


A história da Sutter Home Winery remonta a 1874, quando um imigrante suíço-alemão chamado John Thomann estabeleceu uma pequena vinícola e destilaria no coração do Vale de Napa, na Califórnia.

Sutter Home teve um papel muito grande na historia do vinho nos Estados Unidos,  ela redefiniou a indústria de vinhos dos EUA depois da Prohibição de vinho. Como todas as vinicolas americanas, teve que fechar as portas durante a prohibição. Foi em 1948 que os irmões Trinchero compraram a vinicola e começaram a vender os vinho em  galão. 50 anos depois, foi reconhecida pela Wine Spectator por “ter introduzido mais americanos ao vinho na mesa do que qualquer outro na história”.

Além disso, Sutter Home foi pioneira, criando o original Zinfandel Branco em 1975. Um acidente afortunado ocorreu durante a produção da safra, cerca de 1.000 galões de suco de Zinfandel tinta se recusaram a fermentar até secar, retendo uma quantidade substancial de açúcar, e Trinchero colocou o vinho de lado por um tempo. Ele disse: “Duas semanas depois, eu provei aquele vinho era doce, tinha uma cor rosa, e eu pensei, ‘Droga, isso é muito bom’. Nós o engarrafamos, e o resto é história.”

Hoje Sutter Home é a sexta maior marca de vinho no mundo, e aúnica marca premium que tem sido uma marca top 5 a cada ano nos últimos 30 anos.

Ver no mapa










CANTU IMPORTADORA

Onde estamos

Cantu Importadora de Bebidas Ltda
CNPJ: 22.149.803/0004-98
Rua Passo da Pátria, 1689 Vila Leopoldina – São Paulo
CEP: 05085-000

Televendas

São Paulo: (11) 2144-4455
Horário: 8h às 12h – 13h30 às 18h